terça-feira, julho 28, 2009

Primeira Impressões

Amigos de jornada,


Vamos agora a parte que muita gente gosta de saber, as primeiras impressões daqui, o que funciona bem e o que não funciona tão bem assim.


Do aeroporto viemos direto para Laval, dessa forma nosso primeiro contato com Montréal foi bem rápido de uma maneira apenas visual, admiramos a arquitetura, estranhamos o trânsito, enfim o primeiro impacto não foi suficiente para podermos formar uma opinião mais elaborada mas já foi bem interessante.


Em Laval, tudo muito bonito, muito organizado e com muito menos movimento que Montréal, pelo menos na região aonde nos instalamos é assim, mas não pensem que a cidade é morta, aliás está longe disso, existem muitas opções de lazer, mercados, lojas e serviços.


Nosso apartamento, que aliás conseguimos alugar antes de sair do Brasil graças a grande ajuda do Nilson, Erika, Ale e Dani, é muito bom, espaçoso, ventilado e muito claro, tem luz o dia todo, aliás os dias no verão nos deixam meio perdidos no começo pois é estranho estar em plena 20:30hs com luz do dia. Mas voltando ao ap nós ficamos bem satisfeitos com a configuração e nos surpreendemos com o tamanho, achamos ele muito maior do que pensávamos quando vimos as fotos ainda no Brasil.


O nosso prédio aqui é bom mas entretanto o proprietário deixa a desejar no que diz a conservação geral do mesmo, tem muita coisa que podia ser feita para deixa-lo com uma aperência mais limpa e organizada, mas limita-se a isso, de resto é bem bacana e nossos vizinhos de porta são show de bola, são gente boa, aliás não podia ser diferente, são Brasileiros! rsrs! São os nossos amigos Ale e Dani do "J'arrive Québec!!!"


O transporte público de Laval funciona muito bem, o preço da passagem individual é caro, $ 2,60 mas pode-se comprar o passe mensal por algo em torno de $ 70,00 e com isso anda-se de ônibus o quanto quiser, se pagarmos $ 109,00 aí fica melhor, podemos andar aqui em Laval além de também podermos em Montréal usar o ônibus e metro o quanto quisermos, sem limites. Temos três estações de metro aqui em Laval que nos servem bem, a mais próxima de casa é a estação Cartier, depois tem a De La Concorde e a mais distante é a Montmorency, para irmos a qualquer uma delas temos ônibus muito perto de casa, uns cem metros eu diria, ou seja para nós o acesso à Montréal está muito fácil mesmo.


No mercado não achamos os preços salgados, aliás tem muita coisa mais em conta que no Brasil, muita coisa mesmo. Como ainda estamos usando dinheiro do Brasil tudo sai caro porque temos que converter, mas para quem já ganha em Dólares Canadenses a coisa é bem diferente.


Como estamos no verão as frutas e legumes estão lindos e por um preço bem legal, aqui em Laval tem um mercado muito legal que é especializado em Hortifruti, outro dia gastamos $ 26,00 e enchemos um carrinho com muito legume e frutas da temporada.


Para os maníacos por Coca-Cola como eu, isso aqui é o paraíso, por uma garrafa de 2 litros paga-se em média $ 2,20 - entretanto sempre saem as promoções, tipo 4 por $ 5,00 e fora que tem algumas marcas paralelas que fabricam produtos de boa qualidade e bem similares a verdadeira Coca-Cola e que custam $ 0,99 - acredite se quiser.


Roupas, sapatos e acessórios também tem de tudo, desde os mais caros até os super em conta, aqui perto tem uma loja chamada Winners, eu considero a C&A daqui, tem coisas legais, qualidade aceitável e preços muito bons.


A Foot Lockers é uma loja especializada em calçados de marca, para quem está acostumado a ver Nike Shocks por R$ 800,00 no Brasil vai adorar encontrar lançamentos aqui por $ 110,00 - e vai amar encontrar os que já são de coleções passadas por coisa de $ 80,00. Pode-se ver que aqui se tem mais acesso à determinados bens de consumo do que no Brasil.


Agora um pouco de Montréal: Depois de explorarmos nossa região local fomos conhecer essa cidade incrível, nosso primeiro grande "contato" com a cidade foi um pesseio que fizemos no dia do Québec em 24/06 ao irmos para o Parque Maisonneuve, no caminho passamos pelo maravilhoso Estádio Olímpico e Biodômo, infelizmente ainda foi só de passagem, não pudemos ainda pegar o elevador até o observatório nem mesmo entrar no Biodômo, mas faremos isso em breve.


No Parque Maisonneuve tivemos um ótimo dia ao lado de amigos queridos já conhecidos de longa data e também de gente que conhecemos agora, inclua-se a lista o Normand, um Quebecois muito legal que fala português, está sempre de bom humor e adora Brasileiros. Foi um dia muito legal e especial para nós três, marcou o nosso ínicio de vida social aqui no Québec, descobrir aos poucos o lugar aonde estamos vivendo.


Depois no dia 27/06 fomos jantar com um grupo de amigos muito especial ao qual dedicaremos mais tarde um post para falar desse encontro, mas posso dizer que foi muito legal e aí conhecemos um pouco mais da cidade.


Para finalizar esse post falemos dos documentos e a palavra mais utilizada no Québec: rendez-vous.


Chegamos na quarta dia 17 e já no dia 18 fomos atrás do NAS Numéro d'Assurance Social, o CPF daqui, foi bem tranquilo, levamos toda nossa documentação imigratória e assim na hora obtivémos nosso número, os cartões posteriormente foram para nossa casa.


Na Segunda-feira 22 fomos fazer o Assurance Maladie, como a maioria já sabe, mesmo tendo chegado já na segunda quinzena do mês de Junho foi considerado para nós como completo, ou seja à partir de primeiro de Setembro já estamos cobertos pelo Assurance Maladie. Também já abrimos uma conta no Banco de Montréal, a escolha por esse banco foi simples, nós tentamos trocar nossos Travellers Checks em casa de câmbio e não aceitaram, depois fomos a um banco da região e eles apenas trocaram $ 200,00 - finalmente nos dirigimos ao Banco de Montréal aonde fomos super bem atendidos e ainda nos trocaram $ 2.000 em Travellers sem nos cobrar nenhuma taxa, por isso ficamos com o BMO.


Ligamos para marcar nosso Rendez-vous de recepção do Governo, pessoal acostumem-se com essa palavra pois aqui para tudo é necessário ligar antes para marcar um rendez-vous, para cortar cabelo, para imobiliária, para procurar emprego, enfim tem que marcar rendez-vous para quase tudo por aqui.


O nosso aconteceu uma semana depois que chegamos, foi muito bom e instrutivo pois recebemos todas as informações para fazer inscrição para Francisação, validar diplomas, tirar carta de motorista local, marcar rendez-vous do emplois Québec, ver cursos de Francês com baixo ou nenhum custo, enfim foi bem legal.


A Ro e o Filipe já estão inscritos na Francisação a tempo integral e já até fizeram o teste de qualificação para determinar o nível deles, quanto a mim devo iniciar somente em Setembro a Francisação a tempo parcial pois minha intenção é ir trabalhar o quanto antes.


Cartão de Residente Permanente, o meu e o do Filipe chegaram no mesmo dia, coisa de um mês depois de nossa chegada, o da Ro ainda não chegou e estamos preocupados com isso, vamos ligar para a imigração para saber o que aconteceu.


Bom amigos é isso por enquanto e para variar um pouco vamos deixar aquelas fotinhos para ilustrar nossas peripécias nessa terra de todos os povos.






Fachada do nosso prédio em Laval



Nossa sala de estar, ainda incompleta.




Nossa Cozinha.

Quarto do Filipe

Quarto da Ro e do Ri


Aqui no dia que trouxemos nossa lavadora e secadora.


Mercado Jean Talon em Montréal


Mais de Jean Talon

Adoramos essa arrumação dos pimentões




E mais Jean Talon



Aqui o resultado de uma comprinha no Jean Talon! Feito pela Ro.




Filipe, Nilson, Dani, Babi, Erika, Ro, Normand e Ale - Rumo à Festa Nacional do Québec



O Estádio Olímpico - Lindo!



Normand, Ro, Ri, Filipe, Nilson, Dani, Erika e Babi - Pq. Maisonneuve



Filipe e Ro - Curtindo o verão no Pq. Maisonneuve



Mictório ao ar livre??? Isso mesmo! Mas aqui só foi fingindo para a foto, ok?



Aqui um reencontro com amigos super especiais!



Ro e Filipe desfrutando uma "cervejinha"



Bom, somos todos filhos de Deus afinal!



Trigésimo aniversário do Festival de Jazz de Montréal



Ro, Ri e Filipe nas festividades em Montréal



Ro, Filipe e Victor salafrário! rsrs



Dia do show de Stevie Wonder! Estava meio vazio! rsrs



Montréal à noite.



A cidade em plena festa, até de noite!

Pois é, as "primas" por aqui estão bem cotadas! rsrs



Esse é um amigo nosso no último dia de Festival de Jazz, Ben Harper!



E aqui o metro que tem pneus! A piadinha do "furou o pneu do trem" aqui não tem graça.



Uma super galera no aniversário de um cara nota 1000 - Nilson "Lapin"



As "chicas" no dia da colheita de morangos em Laval



Aqui nossas humildes caixinhas de morango!



Aqui Gina, Erika, Nilson, Ro e Ri. Antes do show do Ben Harper.



Ei, quem é aquela gatinha ali embaixo???





Ei, quem é aquele esquilo ali em cima?!!



O casal mais charmoso!!! rsrs Ah e modesto também!



Ro posando junto às lindas flores.



Filipe alimentando o esquilinho!



Aqui no dia que fomos à uma "parilla" peruana, foi muito bom!



Ri, Ro e Filipe no Mont Royal



Foto do Mont Royal - agora de nossa autoria.




Erika, Ro e Cecilia no Mont Royal




Um grande beijo e até logo mais!


Ricardo, Rosangela, Filipe e Pichu.

domingo, julho 26, 2009

Nossa gatinha Pichu

Amigos de Jornada,

Lá vamos nós tentando aos poucos dar sequencia no blog, está difícil de deixar em dia mas tudo bem, devagar se chega ao longe! rsrs

Muito bem, antes de sair do aeroporto eu me dirigi a alfandega para tentar liberar a Pichu, pois de acordo com a Rosana da Sysbrac o procedimento seria muito simples, entretanto não foi bem assim, não que seja culpa dela.

Ao chega ao local aonde supostamente eu iria pegar a gatinha fui informado que na verdade teria de me dirigir até o galpão da AirCanada Cargo que não fica próximo do aeroporto, dessa forma voltei para aonde estavam a Ro, o Filipe e o Nilson para então aproveitar que estávamos com o carro e ir até o local para pegar a gatinha.

Pois bem, chegamos ao local que nos foi indicado e lá descobrimos que o avião que traria a gatinha ainda não havia chegado, a previsão era chegar por volta das 13:00hs e nós ainda estávamos em 11:40hs mais ou menos. Dessa forma resolvemos então voltar mais tarde para poder pegar a Pichu.

Depois de termos almoçado na casa do Nilson e da Erika, almoço preparado pelo próprio Nilson diga-se de passagem, fomos ainda ajeitar algumas coisas em casa e então por volta de 15:30hs eu e o Nilson fomos para o bendito galpão da AirCanada Cargo para pegar a gatinha. Lá chegando apresentamos todos os papéis que seriam necessários, então tive a surpresa de saber que teria que pagar $55,00 pelo transporte do terminal aéreo até o galpão da AirCanada, pagamento efetuado agora é só retirar a gatinha, certo? De jeito nenhum, o cidadão que nos atendeu descobriu que faltava um carimbo em uma via amarela e sem esse carimbo não havia como liberar a gatinha, ele então nos indicou o local aonde deveríamos obter esse carimbo, ficava no caminho entre o galpão da AirCanada e o aeroporto, então tivemos que pegar um taxi pois aonde estavámos simplesmente não chega transporte público. O Nilson ligou e esperamos chegar o carro, tão logo chegou fomos ao local e lá chegando fomos tentar obter o famigerado carimbo, entretanto mais um problema.

Primeiro uma das oficiais que nos atendeu disse que a via amarela que eu tinha estava errada, supostamente era para animais provinientes dos Estados Unidos e não de outros paises, como eu vinha do Brasil era preciso outro formulário, fiquei sem ação, aliás eu mal conseguia me expressar em Francês, se não fosse a grande ajuda do Nilson não sei o que eu faria. Bom, mas eis uma outra oficial resolveu verificar e então detectou que não havia sido feito a liberação na alfandega aeroportuária, ou seja teríamos que dessa vez ir ao aeroporto, passar pelo setor alfandegário e então de lá eles dariam uma liberação para que então voltassemos e pegassemos o bendito carimbo na via amarela.

Fomos ao aeroporto, tudo no mesmo taxi e o taximêtro correndo sem dó. Lá chegando descobri que mesmo eu sendo imigrante teria que pagar a taxa de importação da gatinha, lá se foram mais $ 35,00 - depois de um monte de idas e vindas, pagamento efetuado o oficial da alfandega me liberou para ir carimbar a via amarela no outro posto.

Voltamos lá, ainda de taxi, e então dessa vez conseguimos carimbar a bendita via amarela, dali seguimos para o galpão da AirCanada Cargo aonde dessa vez iríamos finalmente conseguir pegar a Pichu, a essas alturas eu estava muito preocupado com o bem-estar dela, mas graças à Deus ela estava bem, assustada mas bem.

O taxi nos deixou em um local aonde iríamos pegar metro, e a conta ficou em $90,00 fora os $15,00 do primeiro taxi que pegamos para ir ao galpão da AirCanada Cargo.

Depois de uma longa jornada para nós e especialmente para a gatinha, por volta de 19:30hs ela chegou sã e salva na sua nova casa. Ela saiu da caixa de transporte meu atrapalhada, meio assustada, com sede, fome e vontade de fazer suas necessidades fisiológicas. Passado alguns minutos ela estava mais tranquila e já se sentia mais à vontade.

Foi uma jornada bem longa para ela e de muito transtorno para nós também, então amigos, fica aqui um alerta para quem for utilizar despachante para levar seus bichinhos, antes de qualquer coisa passem pela alfandega no aeroporto, paguem a taxa de importação e informe-se de como obter o carimbo na via amarela, depois e só depois que tiver sua via amarela carimbada siga para a AirCanada Cargo, pague sua taxa de $55,00 (no nosso caso foi esse valor) e leve seu ou seus bichinhos felizes para casa, ok?

Para finalizar segue a primeira foto da Pichu em casa, já mais aliviada e desfrutando de uma caminha gostosa!!


Grande beijo à todos e até mais.

Ricardo

domingo, julho 12, 2009

A chegada!


Amigos de jornada,

É, ainda está meio devagar as atualizações do blog, mas nós vamos fazendo aos poucos. Eu me lembro que quando estava no Brasil ficava ansioso pela atualização dos blogs da galera que já tinha viajado, agora vejo que eles precisavam de um tempo até se ajeitar para então colocar as informações em dia, assim fazemos nós agora.
Bom, mas vamos agora a nossa chegada no Canadá e finalmente em Montréal.
Depois de deixar a Pichú na AirCanadá Cargo, fazer check-in e despedir da família e amigos, fomos para o lado de dentro já em direção ao nosso portão de embarque, tudo certo aguardamos até o momento de entrar na aeronave.
Eu havia pedido para a Decolar.com me colocar do lado da Rosangela, ela janela e eu ao lado dela no corredor e o Filipe também na janela mas na poltrona da frente ou de trás da nosso, mas somente no avião descobrimos que não ficou acertado do jeito que queríamos, mas no fim conseguimos trocar de lugar com outras pessoas e dessa forma fui sentado ao lado da Ro e o Filipe foi no corredor central quase ao meu lado.
A viagem foi muito tranquila e a Ro se saiu muito bem em sua primeira viagem de longa distância numa aeronave grande, aliás ela conseguiu dormir, eu somente tirei alguns cochilos mas dormir mesmo não deu.

Chegamos em Toronto pouco antes das 6:00hs da manhã e aí fomos fazer todo o procedimento de "Landing", nosso primeiro contato com um agente da imigração não foi muito bom, eu preenchi o cartão no avião com nossas informações e coloquei o endereço fixo como sendo já o do Québec. Quando o agente leu o cartão ele me perguntou bem secamente, "você mora no Brasil mesmo?" - então eu disse que morava mas que agora meu endereço era o do Québec, mas ele não me deixou continuar a conversa e disse mais secamente e com certo sarcasmo: "Não senhor, seu endereço É SIM no Brasil porque você ainda não foi aceito nesse país, portanto vou corrigir a informação no formulário!". Confesso que me senti entrando nos Estados Unidos nesse momento, mas enfim aonde há seres humanos sempre haverá mal humorados e mal educados.
Saindo dessa recepção "calorosa" seguimos em direção ao local aonde efetivamente aconteceria o landing, conferência de documentos, informar local de residência, enfim o que é de prache acontecer.

Só uma coisa que a nós aconteceu e que nós havíamos lido que não estavam conferindo, no tocante ao numerário que se está portando, mas no nosso caso foi checado. A oficial depois de toda a papelada feita e tudo certo me perguntou, "Quanto dinheiro vocês trouxeram?" - então eu disse que tinhamos "X" em dinheiro, "Y" em travellers checks e ainda algum dinheiro em um banco no Brasil o qual eu tinha o cartão de débito internacional. Então ela educadamente me pediu para mostrar os travellers e contá-los na sua frente, depois disso ela deu uma olhada no dinheiro e por fim tive que mostrar o cartão do banco, nesse momento como eu tinha um extrato bem recente mostrei a ela o saldo em reais e informei quanto seria em doláres Canadenses. Feito isso então ela nos liberou para seguirmos viagem rumo à Montréal.

Dessa forma fomos para a esteira pegar nossas malas, lá tivemos a oportunidade de conhecer pessoalmente o casal muito simpático, Babi e Wal http://jepartiraispourquebec.blogspot.com/) além da gatinha deles que teve a sorte de poder ir no mesmo vôo que eles, foi bem bacana.

Com malas e cuias nas mãos ou melhor nos carrinhos pois eu e o Filipe nos arranjamos bem com os carrinhos, nem precisamos dos famosos carregadores, e seguimos para já embarcar as malas no vôo de conexão, foi tudo muito simples e sem stress.

Não tirei nenhuma foto em Toronto, a máquina apresentou um probleminha e com isso não registramos nossa chegada no Canadá, mas tudo bem pelo menos à caminho de Montréal e já na cidade conseguimos tirar algumas fotos.

Antes de embarcarmos tomamos nosso primeiro café em terras canadenses e então seguimos para o portão de embarque aonde algum tempo depois embarcamos e logo levantamos vôo rumo Montréal. O vôo foi bem tranquilo e rápido, sem nenhum contratempo graças à Deus.

Quando chegamos no aeroporto Trudeau pegamos, de novo, nossas "malinhas" e fomos encontar nosso super amigo Nilson, digo super amigo porque esse cara tem nos dado uma força descomunal, aliás ele a Erika e a Babi têm sido fantásticos conosco, grande "Les Lapins"!

Foi muito bom rever um amigo depois de um ano que nos despedimos dele no Brasil, ele ajeitou pra gente um "carreto" com um brasileiro chamado Celso que já está aqui há bastante tempo, um cara gente boa também. No carro ele conectou uma carretinha e foi aonde ajeitamos as malas e seguimos viagem rumo ao nosso apartamento que já estava alugado graças à ajuda dos amigos "Les Lapins" e também do Ale e Dani, isso fez uma diferença imensa pra nós.

Uma vez em Laval lá fomos nós descarregar nossas "coisinhas" no nosso novo lar doce lar, vocês devem estar se perguntando, mas e a gatinha??? cade ela??? o que aconteceu com ela?? Pois é, vou fazer um outro post sobre isso, será o próximo, ok?

Então para finalizar esse post aqui seguem as nossas primeiras fotinhas no Canadá.

Aos poucos o Québec se revela...


E Montréal vai ficando mais perto...

Cada vez mais perto...

Agora a cidade está bem perto de nossos pés...


Ro bem atenta no exato momento em que o avião toca o solo de Montréal


Ri e Ro - Agora no Québec!

Grande Nilson, depois de um ano o reencontro!

Quem tem amigos não morre pagão!

A primeira foto do trio em terras de Montréal


Nossas malinhas sendo empacotadas!!

Entrega oficial da chave de nosso apartamento em Laval!

Lolinha inaugurando sua nova cama!


É isso amigos, por enquanto! Mas logo mandaremos outro post! Obrigado à todos que estão comentando e deixando recado, aos poucos vamos respondendo, ok?
Grande beijo e até mais,
Ricardo, Rosangela e Filipe